Nem sempre precisa fazer sentido, basta acontecer

A campainha tocou e por algum motivo eu fui o único que escutou. Levantei pra ir até o portão com um frio na barriga e me preparando pra que talvez ainda não fosse a hora. Fiquei na ponta dos pés como sempre fico, pra tentar enxergar do outro lado da rua e assim, quem estiver na porta.

Uma mecha do seu cabelo foi o suficiente pra fazer o frio na barriga aumentar, o suor começar a escorrer e o nervosismo ficar mais intenso. Voltei pra pegar a chave e os batimentos cardíacos aumentavam à medida que eu dava os passos, cada um deles me dizendo que o tempo se aproximava, como se fosse mesmo uma contagem regressiva.
Coloquei a chave na fechadura, respirei fundo e virei. O tempo parecia não querer correr enquanto o portão se abria, parecia que ninguém queria me deixar te ver logo. Mas deixaram.
Não lembro se consegui respirar direito, se fiz cara de bobo ou o quê. Não pensei, não consegui falar. Minha boca travada não deixaria uma palavra passar, meus olhos se fixaram nos teus, meu corpo de abraçou e meus braços te envolveram. O tempo parou e nada mais importava naquele momento, eu tinha tudo que precisava na minha frente durante aqueles segundos que insistiram em passar depressa.
Ela estava ali. Uma das pessoas que se fez muito importante nos últimos tempos, a dona do melhor abraço do mundo, a razão dos meus sorrisos dos últimos dias, o motivo de muitos dos meus pensamentos e a responsável pelo turbilhão de coisas que mexiam comigo naquele instante. Ela estava ali, sentada, sorrindo, tímida, um pouco sem jeito. Linda, linda, linda.
Eu? Nervoso, me mantendo concentrado em outros assuntos, tentando manter a racionalidade em primeiro lugar pra não deixar as emoções tomarem conta de tudo, talvez até evitando a situação toda por não saber como lidar. Covarde, ingrato, seco, confuso, medroso, equilibrado. Me chame como quiser, me ajude a encontrar uma palavra pra definir isso tudo.
Agora ela está indo, pela mesma porta que entrou. Só que dessa vez eu não posso te abraçar. Me odeio e te peço desculpas por tudo isso ao mesmo tempo.
Eu vou ficar aqui por mais algum tempo. Talvez arrependido de algumas coisas, satisfeito com outras, pensando em todas as outras, mas, acima de tudo, muito feliz. Feliz porque nada foi como planejamos, e sei que se tivesse dado tudo certo não seria tão bom como está sendo.
Anúncios

Um comentário sobre “Nem sempre precisa fazer sentido, basta acontecer”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s